Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/11/2013

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: A explicação dos rankings em sócio-eduquês

«Milhões e milhões de euros depois, a que há que juntar os milhares de técnicos, funcionários, edifícios, infra-estruturas, estudos, teses, investigações, políticas, programas e reformas vêm dizer-nos que a culpa dos maus resultados escolares é do contexto socio-económico?
...
Esta espécie de fatalismo social isenta todos os protagonistas de responsabilidades e sobretudo leva a que automaticamente se baixem as expectativas em relação aos alunos provenientes de meios menos favorecidos. E isso é mais do que meio caminho andado para o insucesso desses alunos pois como a maioria de nós tem uma inteligência mediana e a vida das famílias, como se percebe à evidência lendo os jornais das últimas semanas, tem momentos patetas e patéticos em todos os níveis sociais e culturais, aquilo que somos depende muito das expectativas e da exigência que a escola e a sociedade têm para connosco. Ora o que este "sociolês" do contexto veio instituir é que os filhos dos pobres e dos menos cultos estão condenados a ser maus alunos logo em nome da igualdade de oportunidades há que nivelar por baixo, exigir menos deles, tolerar-lhes o mau comportamento porque vivem no sítio A ou B, mantê-los acantonados nas escolas da aérea de residência e se possível evitar que os rankings sejam divulgados para que não se perceba a dimensão do desastre a que a desautorização dos professores e a pedagogia transformada numa secção dos activismos ideológicos conduziu o ensino.»

Excerto de O “sociolês", Helena Matos no Económico

1 comentário:

Anónimo disse...

Muito bem.