Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/11/2013

BREIQUINGUE NIUZ: Miguel Sousa Tavares aderiu à doutrina dos dois Portugais

Há vários meses que o (Im)pertinências vem adoptando a doutrina Deng Xiaoping «um país, dois sistemas» para compreender o caso português. Foi por isso que distinguimos o Portugal Que Trabalha (PQT) do Portugal Que Se Queixa (PQSQ).

MST, inesperadamente para um colectivista mitigado, faz hoje o mesmo no seu habitual artigo de opinião no Expresso oportunamente intitulado «Os dois países», e dedica ao PQSQ o seguinte parágrafo:

«Olho, por exemplo, para os mais recentes focos de contestação sócio-profissional, e constato que todos os sectores activos estão ligados ao Estado: os transportes públicos - o cancro financeiro das contas públicas e a tropa de choque da CGTP, sempre disponíveis para as greves e para a luta pela manutenção de alguns privilégios impensáveis no sector privado; os professores a mando da Fenprof, que já ninguém se incomoda sequer em saber o que os incomoda, porque tudo os incomoda; os magistrados e a PJ (que, com um carro por cada dois agentes e uma sede sumptuosa à beira da inauguração, protestam contra as "condições de trabalho"); as Forças Armadas, que acham pouco 5000 promoções num ano e num país onde há anos ninguém mais é promovido e que continuam a sua luta para nos convencer de que uma apendicite de um marinheiro não pode ser tratada no mesmo hospital que a apendicite de um artilheiro ou de um mecânico de aviões, e que acabam de fazer a escandalosa descoberta de que têm de esperar por uma consulta, como se fossem utentes do SNS. A todos eles apetece repetir a célebre frase de Vítor Gaspar: "Não há dinheiro. Qual destas três palavras é que não perceberam?".»

Bem-vindo ao clube. Já não vai ser convidado para o encontro «para além das esquerdas» que o Dr. Soares está a promover.

5 comentários:

Anónimo disse...

Por favor, confirmem o link da afirmação de Vítor Gaspar: "Não há dinheiro. Qual destas três palavras é que não perceberam?".

Como é deveras espantosa para este país, tenham pena de mim. Prantem o link.
Obrigado eao

Anónimo disse...

O MST (em gíria médica é sulfato de morfina) eatá a aprender convosco. Cuidado, tende muito cuidado! Depois podem vir os espíritos e os doces e salgados.
Abraço do eao

Impertinente disse...

Já prantei o link, mas para ler o artigo é preciso ser assinante do "broadshit".
Para isso já não posso fazer nada.
Abraço

Anónimo disse...

Primeiro artigo com pés e cabeça que leio dele, deve ser influência da mulher.

Dudu disse...

Depois do famoso plágio num seu romance, passei a considerar MST mais uma desilusão da minha vida. A continuar assim, qualquer dia tenho de rever o diagnóstico!