Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/11/2013

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (74) – Be patient. Is it unaffordable? Don't care. Obama talks.

O arranque do Patient Protection and Affordable Care Act está a ser um falhanço estrondoso (ler aqui o ponto de situação da Economist) em resultado de um enorme amadorismo e incompetência cada vez mais difíceis de esconder por detrás das toneladas de conversa de fiada derramadas por Barack Obama em inúmeras entrevistas, comunicações e discursos.

Verdade seja que o volume de conversa fiada está à altura da dimensão da lei Obamacare que com as suas mais de 900 páginas (ver aqui o pantagruélico texto da lei ao qual se acrescentam mais 1.500 páginas de regulamentos) é um bom exemplo da obsessão legiferante do intervencionismo estatal da administração Obama.

Como se fosse pouco, vão surgindo situações em que o próprio desenho da lei está a ser questionado como, entre outros exemplos, a recusa de organizações e empresas de proporcionarem no seguro de saúde uma cobertura completa de contracepção que é obrigatória no Affordable Care Act, abrangendo desde preservativos, diafragmas, pílulas e ainda medicamentos e dispositivos para impedir o embrião de se implantar no útero considerados como modalidades de aborto.

O Supremo Tribunal decidiu na 3.ª feira passada julgar alguns casos sobre a possibilidade das empresas recusarem contratar a cobertura de seguro de contracepção por razões de religião dos seus proprietários.

Independentemente do desfecho, é mais um exemplo da intrusão na vida privada do intervencionismo estatal que pretende financiar com recursos públicos as suas causas.

Sem comentários: