Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/11/2013

Pro memoria (149) – De Semper idem para Semper mutandis.

De marxista-leninista-maoista da AOC do princípio dos anos 70, até social-reviralhista quarenta anos depois, com passagem pela social-democracia cavaquista nos anos 80, José Pacheco Pereira é uma criatura mutante.

Esquecendo os ardores da juventude e focando apenas a última meia dúzia de anos, vejam-se os exemplos recentes, compilados por Rodrigo Adão Fonseca do Blasfémias Insurgente (*), de visões do camarada Pacheco agora subvertidas com a sua conversão ao reviralhismo: anti-Soares, repudiando a arrogância da esquerda, mostrando uma costela liberal.

Semper idem? Semper mutandis.

(*) As minhas desculpas ao Insurgente que também faz parte da nossa referência mental, para usar as palavras de Gabriel Silva (obrigado e abraço) do Blasfémias no comentário a este post.

1 comentário:

Gabriel Silva disse...

comprendo que de forma intuitiva se tenha sempre o blasfemias como referência mental, eh, eh.
Mas apesar de ter sido nosso ilustre membro, há anos que o RAF faz parte do Insurgente e os textos linkados assim o demonstram.
abraço.