Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/10/2012

SERVIÇO PÚBLICO: o milagre do défice tarifário faz toda a gente feliz? (5)

[Continuação de (1), (2), (3) e (4)]

Varrendo o défice tarifário
para debaixo do tapete 

Na 4.ª Feira passada o governo, a exemplo dos anteriores desde Barroso, anunciou mais um chuto de 141 milhões de euros para a frente dado no défice tarifário, a adicionar aos vários milhares de milhões que ninguém parece saber exactamente quantos são (recorde-se aqui do que se trata quando se fala de défice tarifário).

Citando-me: em Março eu pensava que era de 2,7 mil milhões, o ionline dizia que era de 3,2, o mês passado o Sol falava em 2, ontem (11-05-2012) o Negócios escreveu 1,5. Em Outubro o governo dizia no parlamento pela boca do Álvaro que se nada fosse feito seria de 8 em 2020 e em Abril segundo o Pedro seria superior a 5 mil milhões.

Fica-se agora a saber que, segundo a ERSE, em Dezembro de 2011 o célebre défice tarifário nos iria custar «802 milhões de euros em 2013, cerca de 500 milhões anualmente de 2014 a 2016, 395 milhões de euros em 2017, 223 milhões por ano de 2018 a 2024 e 81 milhões anuais até 2027», ou seja 4,3 mil milhões. No vosso lugar, preparar-me-ia para a coisa ficar mais para o lado dos 8 mil milhões do Álvaro.

Para uma recapitulação de todos os posts sobre os temas eléctricos clique na etiqueta «défice tarifário» no rodapé deste post.

Sem comentários: