Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/10/2012

Mitos (86) – Quem encomendou a morte de Amílcar Cabral?

Durante décadas a versão oficiosa marxista-leninista sobre a morte de Amílcar Cabral atribuiu ao governo colonial pela mão da PIDE, numas versões, ou de Spínola, noutras, a encomenda do assassínio executado por Inocêncio Cani, um homem de confiança de Cabral.

A estória sempre pareceu mal contada, mas sabe-se agora pela boca do falecido Aristides Pereira, um dos dirigentes de topo do PAIGC e mais tarde presidente da República de Cabo Verde, e pela pena do jornalista cabo-verdiano José Vicente Lopes que escreveu a biografia, recentemente reeditada, «Aristides Pereira - Minha Vida, Nossa História», que o assassínio terá sido a mando da cúpula guineense do PAIGC com o envolvimento de alguns cabo-verdianos.

O Impertinente que conheceu bem Cabo Verde - passou lá muitos meses nos anos seguintes à independência durante os quais se consuma a separação dos dois ramos do PAIGC – confirma a profunda desconfiança dos cabo-verdianos do PAICV a respeito dos seus «camaradas» guineenses.

1 comentário:

Anónimo disse...

Aliás é facto que os guineenses nunca gostaram do PAIGC, degundo eles controldo por "verdianos"...
neves