Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/10/2012

Mitos (87) – O governo, os seus predecessores e sucessores

O presumível fracasso deste governo não pode atribuir-se necessária e exclusivamente ao presumível défice de estatuto, pedigree e graus académicos dos seus membros, quando comparado com o presumível superavit desses atributos nos governos que o antecederam. Pela simples e prosaica razão que foram esses outros governos, presumivelmente adornados com tais atributos, que adicionaram os défices orçamentais e demonstraram défices de competência na governação, ao mesmo tempo que incrementaram um superavit cada vez maior de intervenção na sociedade e na economia de um Estado cada vez mais fraco e mais parasitado pelas corporações, deixando esse Estado e a Nação num estado cuja superação está presumivelmente acima das competências deste governo.

Do presumível fracasso deste governo não resulta necessariamente um presumível sucesso do governo seguinte.

Sem comentários: