Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/10/2012

Pro memoria (75) – Aonde nos conduziram os carros eléctricos de José Sócrates

Há 3 anos o governo de José Sócrates lançou a rede nacional de mobilidade eléctrica que previa 320 locais de carregamento e 1.300 em 2012. Em 2020, segundo os planos socráticos, deveria haver 180 mil carros eléctricos e 25 mil locais de carregamento.

Deixando esta ficção socrática, que com as outras nos custou uma pré-falência, três anos depois existem 270 carros eléctricos e este ano apenas foram vendidos 44. Para carregar as baterias dos 270 carros existem mais de mil postos de carregamento que custaram 3 mil euros por posto e os de carregamento rápido custaram dez vezes mais. Existem, pois, quase 4 postos por cada carro eléctrico um investimento equivalente ao custo do próprio carro.

Por isso, meus amigos, antes de irdes às manifs chamar «gatunos» a estes tristes que estão no governo, lembrai-vos que são apenas os cobradores das facturas dos desvarios a que assististes – eventualmente, alguns de vós, com devoção.

(Retrospectiva impertinente dos carros eléctricos socráticos)

Sem comentários: