Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/10/2012

Pro memoria (68) – Como queimar uma medida de higiene da política portuguesa

O país está à beira do desgoverno e o líder da oposição lançou para o ar a ideia da apresentar uma proposta de alteração da lei eleitoral para reduzir do número de deputados com vista a conseguir «uma menor dependência dos eleitos face às direcções partidárias … (e) introduzir maior transparência na vida pública e aumentar a exigência na prestação de contas».

É impossível não estar de acordo em abstracto com a proposta e os propósitos, mas reconhecendo-se a completa falta de oportunidade, conhecendo-se o tacticismo do homem, e sabendo-se agora, poucos dias depois, as reacções dentro do próprio PS (tocou-lhes onde lhes dói mais), antecipo que António José Seguro vai deixar a ideia morrer de morte natural e admito que a coisa tenha sido apenas um sound bite para azedar o ambiente na coligação que (des)governa. Vamos ver quanto tempo dura.

Sem comentários: