Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/10/2012

Vivemos num estado policial? (5)

Ninguém sabe exactamente quantos polícias estão no efectivo. Admitamos que os números da UNODC estão próximos da realidade: 47.409 efectivos ou 444,1 por 100.000 habitantes, o que nos coloca no topo da Europa apenas ultrapassados por Malta e pela Irlanda do Norte. Em conclusão, poderemos ter falta de tudo mas não de polícias.


É neste contexto que devemos ler a carta ao primeiro-ministro da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (belo nome que pressupõe haverem amadores da polícia) onde, apesar daquele número pletórico, se queixam que «nos últimos anos a capacidade de resposta da PSP atingiu o limite, cortar mais é pôr em causa a nossa missão e a segurança dos portugueses». E onde também se queixam do «envelhecimento do efectivo … (porque) a maioria dos polícias tem mais de 50 anos», como se isso fosse um problema para estar sentado numa esquadra a tomar conta da ocorrência, que é o que fazem os maiores e os menores de 50 anos porque, como se sabe, é mais fácil encontrar uma agulha num palheiro do que um polícia nas ruas.

No contexto dos recursos existentes tudo isto é absurdo, mas percebe-se no contexto da captura pelas corporações de um Estado gordo, mas fraco. Desse ponto de vista, se os professores, os médicos, os enfermeiros, os militares e outras corporações sugam a vaca marsupial pública, porque não os polícias?

Outros casos de polícia: (1), (2), (3) e (4).

Sem comentários: