Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/10/2012

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: A contabilidade socialista - depois das «folgas», as «almofadas».

No passado houve as «folgas» de Sócrates e Seguro, a saber:
  • Janeiro de 2011, a 4 meses da bancarrota: «Portugal tem uma folga orçamental de 800 milhões», garantiu Sócrates
  • Novembro de 2011: há uma «folga orçamental» de €900 milhões, jurou Seguro.
Passados 18 e 8 meses, respectivamente, essas folgas transmutaram-se em «derrapagem». Três meses depois desta transmutação, as «folgas» reencarnaram como «almofadas», segundo o deputado socialista Pedro Marques:
«O Governo tem depositados 7,2 mil milhões de euros nos bancos portugueses e outros 6,3 mil milhões de euros depositados no Banco de Portugal - um valor agregado de cerca de 13,5 mil milhões de euros, que representa 8% do Produto Interno Bruto (PIB). Destes 13,5 mil milhões de euros, só 3,5 mil milhões de euros se referem ao fundo de recapitalização da banca e há outros 10 mil milhões de euros que estão depositados nos bancos, dinheiro que está reservado e que estará a ajudar ao cumprimento dos rácios bancários relativamente aos depósitos».
Almofada? Qual almofada? Onde entra essa almofada no aumento da receita do Estado que permitiria aumentar a despesa sem alterar o défice? Vejamos a coisa na economia doméstica: no orçamento de uma família endividada, as despesas anuais excedem os rendimentos em 10 mil euros, significando que a família vai ter que pedir ao banco mais 10 mil euros em 2013; entretanto, tem numa conta a prazo de 15 mil euros onde depositou o dinheiro que os primos ricos lhe emprestaram; se gastar esta «almofada» de 15 mil euros passará a ter um excesso de despesas de 25 mil em vez de 10 mil e continuará a dever os mesmos 15 mil aos primos ricos. Onde é que está a almofada?

Sem comentários: