Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/11/2011

Mitos (54) – a dívida dos P?GS é filha da crise do subprime e de pai incógnito

«Para quem não se lembre, o problema de hoje começou em 2007 nos Estados Unidos, não nasceu na Grécia, nem na Irlanda nem em Portugal», escreveu Helena Garrido no artigo «O elogio a Papandreou», bastante mais do foro mitológico do que o habitual. Nele é defendida a tese, unanimemente aceite pelo jornalismo de causas, das desgraças do endividamento pantagruélico dos países da Europa meridional (o caso de Irlanda é outro filme, como sempre defendemos) não resultarem de décadas de défices orçamentais e de défices do comércio externo, mas do crash do crédito hipotecário americano.

Tem esta mitologia importância? Tem alguma, precisamente porque é perigosa e bastante popular, como tudo quanto é empurrar a responsabilidade. Não é possível tratar um alcoólatra se ele está convencido que os seus problemas resultam do aumento do preço do briol.

Sem comentários: