Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/11/2011

CASE STUDY: A banca do regime queixa-se deste governo depois de 6 anos na cama com o outro

Depois de anos de desvario a enfiar crédito barato pelas goelas dos clientes, ao mesmo tempo que lhes remunerava miseravelmente os seus depósitos, a comprar dívida pública dos PIGS (aqui o «I» é de Itália) e a financiar os projectos de estimação do governo socrático, a banca não consegue cumprir os rácios de solvência e de crédito/depósitos numa conjuntura em que os accionistas estão sem cheta e os seus bancos valem uma fracção do que valiam há 4 anos.

Perante a necessidade de recapitalização e com as directrizes troikáticas para aceitarem a entrada temporária de capitais públicos, a Associação Portuguesa de Bancos, empurrada pela banca do regime (BES, CGD, BDP), foi fazer queixa a Bruxelas comparando essa entrada com as nacionalizações de 1975. A comparação já é ridícula em si mesma, mas quando nos lembramos do conúbio que a banca do regime praticou com os governos, sobretudo socialistas, ela passa a ser um insulto à inteligência dos daqueles portugueses que não são burros.

Sem comentários: