Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/11/2011

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: O joker do poker doméstico palpita sobre o poker europeu (2)

Secção Entradas de leão e saídas de sendeiro

Há 2 dias, o filósofo do regime, numa das suas iluminantes sessões na TVI, classificou a decisão de referendar o plano de resgate da Grécia como «uma jogada genial (no poker europeu), um lance genial de Papandreou».

Certamente sem saber a opinião do nosso joker do poker doméstico e sem o consultar, dois dias depois, Papandreou teve que mostrar o jogo e tudo indica que o «lance genial» foi apenas um bluff.

Por isso mantenho os 5 chateaubriands e 5 bourbons atribuídos ao professor Carrilho e atribuo adicionalmente a Papandreou 4 urracas pela frouxidão e 3 pilatos por ter lavado as mãos do assunto e converter o «lance genial» do professor num bluff vulgar de Lineu.

Post scriptum:
O lance de Papandreou, visto pelo professor Carrilho como genial, começou por ser na 2.ª feira um referendo ao plano de resgate, passou ontem por ser «sim ou não ao euro», até acabar esta tarde no bluff.

Sem comentários: