Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/11/2011

Exemplos do costume (7) – a Líbia, esse campeão dos direitos humanos

Já deveria ter sido um choque para os cultores da santidade da ONU, a eleição em 2003 da Líbia do coronel Kadhafi para a presidência do Conselho dos Comissão de Direitos Humanos da ONU, ou a eleição há poucos meses da Coreia do Norte para a presidência da Conferência sobre Desarmamento.

E o que terá sido para esses crentes o relatório da 16ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, de Janeiro deste ano elogiar a Líbia por ser um paraíso dos direitos humanos e das liberdades, escassos dois meses antes de 8 dos países que subscreveram o elogio terem apoiado a intervenção da NATO, alegadamente para evitar que o querido líder massacrasse o seu povo?

É certo que o relatório foi assinado por representantes de países conhecidos pelo pouco respeito dos direitos humanos como a China, a Rússia a Nicarágua, Angola, Nigéria e Zimbabué, mas não faltaram outras assinaturas como as da Itália, Holanda, Eslovénia, Espanha, Suécia, Noruega, Hungria, África do Sul, Alemanha e Austrália.

Sem comentários: