Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2016

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (29)

Outras avarias da geringonça.

Ainda a procissão vai no adro e o re-orçamento da geringonça só terá impacto a partir de Abril e já o défice do 1.º trimestre na óptica contabilidade pública se agravou de 108  milhões para 824 milhões.

O parecer do Conselho das Finanças Públicas, que arrasou o cenário macroeconómico da geringonça assente em premissas miraculosas, foi desvalorizado pelo presidente Marcelo («decisiva é a Comissão Europeia», disse) e acusado pela geringonça de ter uma «postura ideológica». À acusação respondeu o CFP que respeita «a racionalidade económica». Seja lá o que for «a racionalidade económica» não será certamente uma perspectiva interessante no universo paralelo em que se move a geringonça.

Nesse universo paralelo da geringonça também não se encontra a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) que diz não ter informação suficiente no Programa de Estabilidade para avaliar as medidas de consolidação de melhoria das contas públicas até 2020. Medidas de consolidação que atingem a bonita soma de mais de 2 mil milhões em que o grosso será no último ano e em qualquer caso a adição das parcelas conhecidas não é igual à bonita soma,

As únicas criaturas que a geringonça encontra, por vezes, nesse seu universo paralelo são o PCP e o
Bloco de Esquerda. O camarada Jerónimo deixou claro que o PCP não apoia o Programa de Estabilidade mas, pelo sim pelo não, isso não o impediu de votar em conjunto com o BE (que tinha dito não ter nada contra) a rejeição da rejeição proposta pela resolução do CDS apoiada pelo PSD.

Onde se vive em completa harmonia é na Educação, onde o ministro continua a executar com desvelo as políticas da Fenprof, sob pena de ter nota negativa do comissário Mário Nogueira. Os critérios de atribuição das horas extra às escolas vão deixar de incluir os resultados da avaliação interna e dos exames. E, para que não haja qualquer grão de areia na engrenagem Fenprof-ministérios, vão aumentar as reuniões em que estará sempre presente o ministro ou um ajudante.

A convivência do governo PS com a CGTP também comoventemente harmoniosa: Costa apela à «luta» e a «uma mobilização muito forte em defesa desta política» e o camarada Arménio do CC do PCP responde ao apelo com «uma semana de luta, de 16 a 20 de maio, com greves, manifestações e concentrações, pela reposição dos direitos dos trabalhadores».

À geringonça o que é da geringonça e a César o que é de César, poder-se-ia concluir ao saber-se que a família de Carlos César, o líder parlamentar do PS, foi toda colocada em cargos públicos: «a mulher foi nomeada pelo Governo regional, o filho foi eleito pelo PS regional, a nora nomeada por uma secretária do governo regional, o irmão escolhido pelo ex-ministro da Cultura do actual Governo». Nestas coisas os socialistas não brincam em serviço e assim houvesse dinheiro dos credores ou dos contribuintes e teríamos, se não pleno emprego, certamente a plena ocupação do aparelho estatal.

Sem comentários: