Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/05/2016

Como construir uma imagem de marca

Segundo Jorge Monteiro, presidente da Viniportugal, associação que promove os vinhos portugueses no estrangeiro e a imagem de marca «Wines of Portugal», citado pelo Expresso, estamos a importar quase um milhão de litros por ano de «vinhos baratos, a granel, sobretudo de Espanha, para satisfazer algumas necessidades».

Que necessidades? Segundo o Expresso concluiu «uma fatia será necessariamente destinada à exportação, como vinho da União Europeia». Depois queixem-se.

3 comentários:

Anónimo disse...

Este é um país de aldrabões, de vigaristas.

Antonio Cristovao disse...

Abstraindo do logro, a qualidade é boa. Comprava vinho da zona de Setubal, e fui mudando de quinta quando ouvia falar do "tanque " que tinham visto passar; incluindo da E.Freitas. A razão era a procura muito superior a produção; ficava apenas para o engarrafado superior a produção própria indo o espanhol (nunca me queixei do sabor e qualidade) para as embalagens de 5 L, mais em conta.
Isso acontece/eu no Dão e Douro, apesar da fiscal.

Antonio Cristovao disse...

Só para os menos avisados, qualquer um pode ir aos grandes produtors espanhois com uma amostra de um vinho, e encomendar uns milhares de litro, que ao que lhe fornecem(garantido), não consegue apontar motivos (gosto,qualidade) para quebrar o contrato; o preço é super concorrente.