Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/05/2016

SERVIÇO PÚBLICO: A obra de Costa. A herança. (4) A escola (I) O abandono escolar

Outras heranças.

Antes que a geringonça se enfeite com os feitos que não são dela, numa área onde até agora só fez asneira, atente-se no diagrama seguinte.


Registe-se que a taxa de abandono escolar:
  • De 2000 para 2005 reduziu-se 5,3 pontos percentuais, isto é -12%;
  • De 2005 para 2010 reduziu-se 10 pontos percentuais, isto é -26%;
  • De 2010 para 2015, depois das reduções anteriores, ainda se reduziu 14,6 pontos percentuais de 28,3% para 13,7% isto é -52%.
Ou seja, em períodos iguais, o governo «neoliberal» conseguiu uma redução da taxa de abandono escolar maior em pontos percentuais e em termos relativos, quando já era mais difícil conseguir a redução, e deixou-a a 2,7 pontos percentuais da média EU28 depois de a ter recebido a 14,4 pontos percentuais da média EU28 .

Sem comentários: