Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/05/2016

Pro memoria (309) - E se o próximo James Bond for um negro ou uma mulher ou…

Há uns meses escrevi aqui o parágrafo seguinte, involuntariamente premonitório:
Um dia chegará em que veremos um filme de James Bond dirigido por uma lésbica muçulmana, protagonizado por um James transexual do Soweto, um gay asiático como Bond girl e uma gueisha bissexual como Dr. No. E, para equilibrar as coisas, teremos na ópera um baixo maori a interpretar a Cio-cio-san da Madama Butterfly e um índio navajo no papel de Mr Pinkerton.
Esse dia está mais perto. Especula-se que a Eon, a produtora há 54 anos de todos os Bond, está a considerar seriamente que o próximo seja uma mulher (fala-se de Gillian Anderson dos Ficheiros Secretos) ou um negro (fala-se de Idris Elba da série Luther). Há mesmo quem especule que poderá ser um gay. E porque não uma lésbica, ou bissexual, ou transexual ou intersexual (*)?

(*) Não sei o que seja intersexual. Suspeito que se trate de uma espécie dificilmente visível já que a câmara de Lisboa tem um programa com uma medida para «combater a invisibilidade social das pessoas Trans e Intersexo».

Sem comentários: