Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/05/2016

ACREDITE SE QUISER: Diz o nu ao roto, porque não te vestes tu?

Mário Nogueira, o dirigente sindical da Fenprof e ministro-sombra da Educação, falando de Passos Coelho que durante cinco anos como profissional liberal não descontou para a Segurança Social 25,40% do salário mínimo nacional e, por isso, teria (se não tivesse pago mais tarde) reduzido o seu período contributivo e a sua pensão de reforma, declarou ao jornal i:
«Se há coisa que me distingue de Pedro Passos Coelho é que eu nunca me esqueci de pagar a Segurança Social»
O apparatchik comunista, alegado professor, esqueceu-se de mencionar muitas outras coisas que o distinguem de Passos Coelho e, em particular, esqueceu-se esclarecer que o ministério da Educação lhe paga o salário e a contribuição para a Segurança Social com dinheiro dos sujeitos passivos sem que tenha dado uma aula há 25 anos, nem mesmo comparecido numa escola a não ser para acções de agitprop e sem que tenha tido a oportunidade de se esquecer de pagar a Segurança Social.

4 comentários:

Antonio Cristovao disse...

Não é compatível com o que escreve, preocupar-se com gente desta.

Lura do Grilo disse...

É um encargo para os contribuintes: nada produz, nada cria. Apenas destrói riqueza.

Anónimo disse...

OU

Nem uma explicaçãozita?

Se calhar ainda encontramos um explicando a dizer que Ministro Sombra, não lhe passou recibo!?

PS: Pensando bem....estou a dar demasiado crédito ao Ministro, a acefalia é tal que nem poderia exercer.

Anónimo disse...

o gajo qsf