Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/05/2016

ACREDITE SE QUISER: As velhas tecnologias do jornalismo de causas manipulam as notícias nos mídia das novas tecnologias

Há sérios indícios de que o Facebook manipula o algoritmo de selecção de notícias na versão americana e em alguns outros países que coloca no topo da secção «Trending» as notícias mais lidas.

As suspeitas de que notícias políticas originárias de jornais ou sites de direita ou com opiniões conservadoras estariam a ser empurradas para o fundo dessa secção e notícias ou opiniões progressistas ou politicamente correctas estariam a ser puxadas para o topo, apesar de terem sido desmentidas pelo Facebook, foram confirmadas por ex-trabalhadores.

Pior ainda, documentos internos confidenciais que chegaram ao Guardian mostram que o algoritmo é mais treta do que outra coisa e que a selecção de notícias «relies heavily on the intervention of a small editorial team to determine what makes its “trending module” headlines».

2 comentários:

Anónimo disse...

E porque será que nada disso me surpreende???...

neves

Antonio Cristovao disse...

Confirma-se:cada um tem que assumir sozinho a responsabilidade das conclusões que faz.