Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/05/2016

SERVIÇO PÚBLICO: Todos os americanos têm uma costela libertária nos seus corpos democratas ou republicanos

«O terceiro maior partido político da América termina a sua convenção em Orlando hoje (2.ª feira). Gary Johnson, o porta-estandarte em 2012, é novamente o candidato. Johnson é um ex-governador do estado estimado, ao contrário de Hillary Clinton e Donald Trump que têm taxas de aprovação mais baixas do que a Fossa das Marianas. Podem os libertários estar à beira de um avanço? Dez por cento dos norte-americanos descrevem-se como libertários, mas podem não ser nada libertários. Os democratas descontentes podem compartilhar posições anti-establishment com os libertários, mas não a vontade de abolir o Estado Social. Os republicanos anti-Trump podem sonhar com abolir os impostos, mas não deitarem para o lixo as restrições ao aborto. Por alguma razão os dois grandes partidos tem mantido as suas estranhas coligações de ideias e interesses. O duopólio que desfrutam não será quebrado este ano, mas os libertários poderiam conseguir os melhores resultados de sempre, ficando mais perto de 10% dos votos do que dos 0,99% que tiveram em 2012.»
The Economist Espresso

Para saber mais sobre o Libertarian Party, que tem como lema «Governo Mínimo, Máxima Liberdade», ver o seu site.

Sem comentários: