Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/05/2016

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (30)

Outras avarias da geringonça.

Estávamos em Janeiro e a ministra do Mar anunciava pomposamente «um acordo de paz social» que poria fim às greves do Sindicato dos Estivadores no porto de Lisboa. Estamos em Maio e a «paz social» consiste no centésimo nos últimos dez anos pré-aviso de greve até 27 de Maio. Lá teremos em breve a mesma ministra a anunciar com a mesma pompa outro acordo.

Estávamos no princípio de Abril e o chefe da geringonça prometeu
1,4 mil milhões de euros do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) para reabilitação urbana. Estamos em Maio e a coisa já caiu para 500 milhões. Neste caso é mau para a credibilidade da geringonça que já não tem como piorar, mas é menos mau para a sustentabilidade da segurança social porque usar um fundo de financiamento das pensões futuras para especulação urbana é mais um daqueles expedientes socialistas do tipo viaje agora e pague depois.

O mesmo governo que já tinha batido o recorde de 1.000-nomeações-1.000 em 100-dias-100, bateu agora um novo recorde: em quatro meses nomeou 273 dirigentes em regime de substituição para atribuir jobs for the boys fintando a necessidade de abrir concursos públicos.

Continuou durante a semana o mal-entendido dos contratos de associação com as escolas privadas - ver a este respeito o Explicador do Observador que explica tudo quando é preciso para se perceber que jamais se poderá chegar a um entendimento com gente que imagina que o ensino público é gratuito e não percebe que o montante pago por cada turma num contrato de associação é menor do que o custo médio de uma turma numa escola pública e que, portanto, o que está aqui em causa é muito simplesmente continuar a garantir o emprego garantido dos funcionários públicos do ministério da Educação.

Outra saga em que abundam os mal-entendidos é a dos «Lesados do BES», um nome que é um achado para designar um bando de patetas que foi vítima de um conto do vigário dos Espírito Santo. O que no passado teria feito deles alvo da chacota da aldeia faz hoje deles indignados exigindo da aldeia que lhes pague a burla. Sim, porque é disso que se trata por detrás de um complicado esquema de veículos financeiros, fundos daqui e dali que acaba com os sujeitos passivos a pagarem (ver aqui a explicação explicada em compliquês), É claro que uma outra solução transparente seria possível se existisse uma espécie do Financial Services Compensation Scheme do Reino Unido, Contudo, teria o grave inconveniente para o bando de patetas de receberem um máximo de 50 mil libras se fosse provado o mis-selling, um grande e difícil «se», porque muitos «lesados» tinham obrigação profissional de perceber que estavam a comprar um produto especulativo de risco.

Foi divulgado a semana passada o Boletim da Primavera da CE onde Bruxelas anuncia as suas previsões de um inverno difícil para as finanças públicas portuguesas em contraste com o verão resplandecente que a geringonça nos anuncia.  Em matéria de défice vai uma distância de 900 milhões de euros (0,5% do PIB). Nada bate certo, mas onde a coisa atinge proporções aflitivas é exactamente na variável que condiciona o crescimento: o investimento. Ora repare-se:
Fonte: jornal SOL
No desconcerto das nações da Zona Euro, em matéria de planos e previsões o optimismo da geringonça é praticamente imbatível. Ora confirme-se:

Fonte: Expresso
Percorrendo o caminho das entradas de leão e saídas de cordeiro, Pedro Nuno Santos, o actual secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, o rapazinho que há 5 anos dizia que poria as pernas dos banqueiros alemães a tremer ameaçando-os de não pagar a dívida, diz agora que a coisa «tem de ser negociada»,

É possível que tenha de ser negociada, porque para pagar a dívida seria preciso crescer e para crescer seria preciso investir e para investir seria preciso poupar e quanto a poupanças estamos conversados. Como se pode ler no Boletim Económico do BdeP de Maio a taxa de poupança em Portugal que havia crescido entre 2009 e 2013 voltou a cair depois de a troika fazer as malas e está agora nos 4,2% do rendimento disponível, um terço da média da zona euro e metade da poupança anterior à adesão ao euro.

Por isso, entre fazer as reformas indispensáveis e adoptar as políticas impopulares necessárias para incentivar o crescimento ou efabular, Costa não hesita e vai apresentar ao congresso do PS no próximo mês propor a mutualização das dívidas e a criação de um Fundo Monetário Europeu. Ou seja, Costa vai propor as políticas que os países solventes da Euro Zona devem adoptar para continuar a financiar o Estado português e as corporações dele dependentes.

E já que falo em congressos, o do Berloque de Esquerda vai ter várias moções aparentemente encontradas num baú dos anos 60 (ou anos 70 para os revolucionários domésticos, sempre com jet lag): uma sobre o sistema produtivo, a propriedade colectiva e a planificação da economia, outra para os ricos pagarem a crise e ainda outra defendendo a semana de trabalho de 32 horas «para dividir o trabalho pelos braços disponíveis». Segundo a TSF (que deve saber do que fala) as moções estão de acordo numa coisa: «os socialistas vão acabar por ceder a Bruxelas e o BE vai ter de sair do acordo das esquerdas». Ficará difícil conseguir manter a flutuar a geringonça, até mesmo para o enorme talento equilibrista de Costa.

Por todas estas razões, não é difícil entender a percepção que essas entidades míticas chamadas mercados têm de um país governado por uma geringonça. Ora veja-se o que essas entidades míticas pensam das nossas chances de entrar no cano outra vez, comparativamente com outros PIGS (excepto a Grécia cujo risco já ninguém se dá ao trabalho de avaliar):

Fonte: Deutsche Bank
A propósito, evoco uma efeméride socialista importante: comemorou-se na passada terça-feira o quinto aniversário do anúncio por José Sócrates, acolitado por Teixeira dos Santos, da bancarrota e da intervenção da troika ao abrigo de «um bom acordo, um acordo que defende Portugal». E, por falar no Querido Líder, registo o convite que lhe foi feito por Costa para a inauguração de mais um elefante-branco do regime.

Sem comentários: