Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/12/2010

O (IMPERTINÊNCIAS FEITO PELOS SEUS DETRACTORES: O Simplex municipal

«[A marca X] …, da área do pronto-a-vestir jovem, quis introduzir nas montras da sua loja do Rossio um sistema de televisões que interagem com os que passam na rua, a exemplo do que montou em NY, Londres, Barcelona e Milão.

[Foi abordada] … a CML, porque [a marca X] não quer fazer nada que indisponha as autoridades locais, as quais, desconhecedoras do assunto, lhe arrastaram a solução para além dos limites, até que após muitas insistências, informaram que o assunto transitara para a secção de taxas. Não é apenas uma formalidade que decorre da aplicação de uma tabela. Trata-se do interior da loja, o comerciante poderia lá por o que lhe desse na sua real gana.

O cliente é italiano, multinacional, anunciante nas revistas da moda, não sei se faz confecção em Portugal mas pelo menos emprega umas centenas de pessoas de empregados, paga todas as suas taxas e contribuições, e portanto não merece fazer sombra à CML e ao vereador do pelouro, o Senhor Dr. José Sá Fernandes, que lhe fixou uma taxa de 40.000 Euros anuais pela decoração interior da loja (e só desta loja!) …»

[Enviado por JARF; omitiu-se a identificação das pessoas, marcas e loja]

Sem comentários: