Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/12/2010

Estado empreendedor (38) – fazendo o lugar do outro

Pode-se discutir quais deveriam ser as prioridades do primeiro-ministro dum país endividado e descredibilizado em que a justiça não funciona, o ensino tem uma aterradora falta de qualidade, e a economia exaure-se a sustentar um Estado pletórico e ineficiente. Haverá certamente mais opiniões do que portugueses. Ficámos a saber qual a opinião de José Sócrates sobre as suas prioridades: viajar até Zurique, Frankfurt e Buenos Aires para promover o sector exportador nacional e passar na volta por Madrid para promover a candidatura ibérica ao campeonato do mundo de futebol de 2018.

[Contaram-me em tempos uma história sobre um «axioma do lugar do outro» inventado para explicar o comportamento dos directores duma empresa pública onde cada um tentava fazer o papel do outro, na esperança de ficar com os louros se corresse bem. Se corresse mal, a coisa poderia sempre ser atribuída ao outro que detinha o lugar. Enquanto isso, cada um ignorava as responsabilidade do seu próprio lugar, na esperança que se corresse bem – o que poderia acontecer, sabendo-se que é preferível ficar quieto a fazer asneiras – ficaria também com os louros. Se corresse mal, sempre teria a desculpa de se ter ocupado a fazer o lugar do outro.]

Sem comentários: