Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/12/2010

SERVIÇO PÚBLICO: «The avoidance of taxes is the only intellectual pursuit that still carries any reward»

A Pricewaterhouse Coopers, em colaboração com o Banco Mundial e a International Finance Corporation, publicou há 3 semanas o estudo Paying Taxes 2011 - The global Picture sobre o impacto dos sistemas fiscais nos negócios. O estudo baseia-se numa empresa case study em cada um de 183 diferentes países. A posição de Portugal no ranking, nos 4 factores principais considerados, é a seguinte:
  • Facilidade de pagamento de impostos ................. 106
  • Número de pagamentos (8 por ano) ..................... 15
  • Tempo necessário (298 horas) ........................ 126 (23 na EU)
  • Taxa total(*)(43,3% em Portugal) .................... 106 (12 na UE)
(*) Em % do lucro no 2.º ano de operação

Este é o resultado medíocre, em termos relativos, das «reformas» socráticas (PRACE, Simplex, etc.). Pagando muito, complicando muito e consumindo imenso tempo, valha-nos ao menos que temos que pagar poucas vezes.

[O pensamento bastante cínico citado no título é, surpreendentemente, do patrono dos Pastorinhos da Economia dos Amanhãs que Cantam - John Maynard Keynes.]

Sem comentários: