Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/12/2010

Bons exemplos (6)

Tom Delay foi membro do congresso americano de 1984 a 2006 e líder da maioria republicana de 2003 a 2005, uma espécie de um Miguel Macedo (sem ofensa) cruzado com um António Preto (sabe-se agora). Foi também um poderoso político durante a administração Bush e, não por acaso, tinha a alcunha de «The Hammer» – uma espécie de Santos Silva - se fosse cá seria chamado de O Malhador. Toda a influência e poder não o impediram, após 3 semanas de julgamento – se fosse cá seriam 3 anos - de ser condenado por um tribunal do Texas por financiamento ilegal do partido Republicano. Estavam em causa USD 190 mil, montante que, por cá, nem chegaria para aquecer os motores partidários. A pena pode ser a prisão perpétua – se fosse cá, na pior e improvável hipótese, a coisa resolvia-se com uma pena de prisão remível com uns cobres.

As justiças são todas iguais, mas há umas mais iguais do que outras.

Sem comentários: