Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/12/2010

Mitos (30) – o défice de 2009 disparou por causa das medidas anti-crise

Segundo a mitologia socrática, o défice de 2009, que começou por ser estimado em 2,7% e foi sucessivamente aumentado até atingir 9,3%, teria sido agravado devido às «medidas anti-crise» tomadas pelo governo. É mais uma mentira descarada que não deixa de o ser pelo facto de ter sido avalizada pelos pastorinhos da economia dos amanhãs que cantam, como os baptizou o Impertinente - veja-se, por exemplo, aqui a desmontagem da treta de Nicolau Santos a este respeito.

Se dúvidas houvesse, a publicação do parecer do Tribunal de Contas vem confirmar que do agravamento do défice de 2009 apenas 22,4% se ficaram a dever às ajudas anti-crise. Mas o pior de tudo é que mais de 60% dessas ajudas foram para torrar inglória e inutilmente no BPN e no BPP e apenas 1% para apoiar o emprego.

A única explicação para estas mentiras descaradas terem vencimento junto da opinião pública é a mediocridade e dependência doutrinária e/ou de tenças governamentais dos nossos fazedores de opinião. É mais um exemplo do trilema de Žižek.

Sem comentários: