Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/12/2010

ESTADO DE SÍTIO: O défice de orçamentação

Desde a queda da ditadura todos os governos apresentaram défices nas suas contas. E quase todos criaram trapalhadas nas contas, roçando nalguns casos a sua falsificação. Já se sabia que os governos Sócrates levaram mais longe do que todos os outros os défices e as trapalhadas (para ser benigno). Está-se a saber que os governos Sócrates estão a levar até ao seu limite, não só o défice orçamental, nem mesmo o défice de rigor, mas o défice de orçamentação. Ou, dito por outras palavras, os próprios processos de preparação (vejam-se os erros e deficiente apresentação da proposta do OE 2010) e de controlo do orçamento (veja-se a derrapagem da execução orçamental, em particular na Saúde) estão em vias de descarrilar, como se começa a perceber cada vez mais claramente.

Sem comentários: