Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/12/2010

Lost in translation (80) – Rigor? Já fizemos engenharia orçamental no passado. Voltaremos a fazê-lo no futuro, queria ele dizer (XVIII)

Ainda a respeito do «controlo das despesas públicas» alegado pelo secretário de Estado do Orçamento a semana passada, a despesa não contabilizada só no que respeita à saúde, segundo o Sol, já vai em cerca de 2 mil milhões assim distribuídos:
  • 1.000 milhões - indústria farmacêutica
  • 400 milhões - fornecedores de dispositivo médicos
  • 200 milhões - hemodiálise
  • 300 milhões - não pagos pela ADSE aos hospitais e um valor não determinado ainda não facturado desde há meses.
Assim, a «melhoria» de 182 milhões no défice consolidado até Novembro comparativamente com o ano anterior transforma-se numa «pioria» de pelo menos 1,8 mil milhões, sem falar da milagrosa redução dos juros contabilizados da dívida pública.

Tratando-se de uma empresa privada, isto teria um nome: fraude contabilística e implicaria responsabilidade civil e penal da administração.

Sem comentários: