Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/12/2010

Mitos (31) – Felicidade Nacional Bruta

De vez em quando, aparece mais uma luminária a prescrever a substituição (lunáticos encartados) ou complementação (lunáticos mitigados) dos indicadores económicos, nomeadamente do PIB, por outros critérios de «qualidade de vida» que não especificam. Imagine-se um Instituto Nacional do Bem-Estar, pejado de apparatchiks ao serviço da clique socrática, a calcular a Felicidade Nacional Bruta.

No mesmo artigo, a mesma luminária, parece lamentar a «factura … de 105 milhões de euros» da justiça americana para arquivar 3 casos de «suborno». Dos 3 citados, o único caso de suborno é o da Alcatel-Lucent. O da Toyota é um caso de responsabilidade civil por produtos defeituosos e o do Deutsche Bank de cumplicidade na fraude fiscal dos seus clientes. Além de não se dar ao cuidado de tentar saber do que fala, misturando crimes diferentes com responsabilidade civil, e omitindo que em todos estes casos as empresas em causa terem já pago indemnizações aos lesados, a luminária parece preferir o método judicial português que consiste em deixar prescrever os processos, deixando a culpa morrer solteira sem os lesados serem indemnizados e sem os culpados ou responsáveis pagarem um chavo.

Sem comentários: