Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/10/2014

Títulos inspirados (32) – Cavaco, o contrariador

Como aqui e aqui já foi referido, a ministra das Finanças foi acusada, e justamente, de ter escondido aos deputados, aos jornalistas, aos analistas e aos comentadores informação privilegiada: a Caixa é um banco público, tem 30% do mercado bancário e tem, portanto, a mesma participação no Fundo de Resolução e, consequentemente, a Caixa pagará 30% das perdas com a resolução do BES e, no fim da linha, esse custo poderá ser suportado pelo accionista da Caixa que é o Estado.

Talvez tentando expiar a vergonhosa culpa, o primeiro-ministro e a ministra das Finanças admitiram que uma perda suportada no Fundo de Resolução pela Caixa poderia ter «reflexos indirectos» no accionista Estado deixando implícito que os contribuintes poderiam pagar a factura.

Entretanto, o venerando chefe de Estado Cavaco Silva, tirou-se dos cuidados e explicou com vasta soma de pormenores que os contribuintes não pagam nesse caso coisíssima nenhuma «porque não é certo, que pela via da diminuição dos prejuízos da Caixa Geral de Depósitos pela via do fundo de resolução então os contribuintes estão a suportar custos porque então ter-se-ia que dizer que toda a despesa da Caixa Geral de Depósitos era suportada pelos contribuintes». Dir-se-á que isso é só uma questão formal porque no fim da festa o contribuinte acaba por pagar todas as facturas do sector público, sejam elas da administração central, autarquias ou sector empresarial do Estado.

Podemos discutir longamente esta minhoquice, mas do que não restam dúvidas é que com tais explicações o venerando chefe de Estado contrariou a tese prevalecente entre deputados, jornalistas, analistas e comentadores de que a dupla Passos-Albuquerque lhe estava a escamotear informação preciosa (aquela que começava por ser a Caixa um banco público, etc.), porque muito simplesmente, segundo o venerando, não haveria prejuízo nenhum a esconder.

E o que fabricou o jornalismo de causas da Lusa – uma agência pública, recorde-se, com a desvelada colaboração de vários jornais? «Notícias» assim tituladas: «Cavaco contraria Passos sobre custo do Novo Banco para os contribuintes» (Económico), «Cavaco contraria Passos e Maria Luís» (DN), «Cavaco contraria Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque no caso BES» (Público)

Sem comentários: