Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/10/2014

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Contra a corrente e ao arrepio do rebanho

Secção Still crazy after all these years

«Repetir que Portugal tem de reduzir despesa corrente (salários do Estado e prestações sociais) a um ano de eleições é algo que nunca vi nenhum primeiro-ministro fazer. Clap! Clap! Clap!» escreveu Camilo Lourenço no artigo «Passos Coelho é uma surpresa. Positiva!» na sua coluna no Negócios.

Independentemente de se concordar com o que escreveu Camilo Lourenço (concordo no essencial), deve reconhecer-se que um jornalista profissional ter escrito tal artigo num país onde a preguiça mental e a cobardia para dissidir do rebanho levam a maioria a zurzir na classe política («there is no such thing as political class», poderia ter dito Margaret Tatcher), como se os políticos fossem todos iguais, e em especial quando se exerce a profissão num meio onde predominam missionários brandindo a vulgata da esquerdalhada, mostra uma louvável coragem e independência de espírito.

Cinco afonsos para Camilo Lourenço.

Sem comentários: