Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/10/2014

SERVIÇO PÚBLICO: A misteriosa falta do crédito às empresas (2)

Há dois anos neste post concluía que a misteriosa falta do crédito às empresas resultava de vários factores, sendo um deles o estado de falência das empresas públicas com capitais próprios negativos que sugam o pouco dinheiro disponível dos bancos que preferem emprestar-lhes com garantia do Estado a apostar em empresas viáveis. Nessa altura foi estimado em 20 mil milhões o capital necessário para injectar nas empresas públicas e amortizar os seus passivos bancários.

Dois anos passados com um governo «neoliberal», segundo a irónica classificação da esquerdalhada doméstica, o endividamento total já vai em 35 mil milhões. Os campeões continuam mais ou menos os mesmos: Parpública 8,4 mil milhões, REFER 7,2 mil milhões, CP 3,8 mil milhões, Metro do Porto 3,2 mil milhões, Estradas de Portugal 3,2 mil milhões, Parque Escolar 1,1 mil milhões, Carris 777 milhões. Nem tudo piorou porque as empresas públicas não financeiras melhoraram os resultados de 2012 para 2013 em quase 900 milhões de euros.

Aqui fica a lista completa:

Fonte: Sector Empresarial do Estado – Relatório 2014, Direcção Geral do Tesouro e Finanças

Registe-se que, do total de 35 mil milhões, cerca de 20 mil milhões integram a dívida pública nas contas nacionais e representam quase 10% da dívida total.

Sem comentários: