Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/10/2014

CASE STUDY: Um minotauro espera a PT no labirinto da Oi (15)

[Outras esperas do minotauro]

Como repetidamente se vem escrevendo no (Im)pertinências desde o princípio de 2011, a venda da Vivo em troca da parceria com a Oi foi um desastre para a PT e para o país, foi mais uma operação de manipulação mediática para José Sócrates e os dividendos extraordinários foram um balão de oxigénio para o GES. Foi o desastre que já se viu, o desastre que se está a ver e o que ainda se há-de ver.

Parte do desastre que ainda se haveria de ver há um mês, já hoje se começa a ver. A PT a perder clientes que valem muitos milhões, como a Caixa, a SIBS e o BPI, entre outros. A PT decapitada, com a sua antiga liderança dividida entre o Brasil, a reforma e o restante a acompanhar a decadência da «Regional 10» como parece ser agora conhecida a PT, depois da divisão do mercado brasileiro 9 regiões.

Resultado da obra de Ricardo Salgado em parceria com José Sócrates, acolitados por Henrique Granadeiro, o gangue da Ongoing e outras personagens do complexo político-empresarial socialista: em 6 anos, desde a OPA da Sonae sabotada por mesma coligação, a PT perdeu 80% do seu valor, ou cerca de 10 mil milhões de euros.

Sem comentários: