Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/10/2014

CASE STUDY: Um imenso Portugal (16)

[Outros imensos Portugais]

Contra as expectativas de muita gente (incluindo as minhas), Aécio Neves do Partido Social Democrata Brasileiro passou à segunda volta a apenas 8 pontos percentuais da «presidenta» Dilma Rousseff, deixando pelo caminho Marina Silva. Registe-se que Aécio foi o mais votado entre os brasileiros residentes em Portugal, com 38%, deixando Dilma e Marina a 10 pontos.

O PSDB é o partido de Fernando Henrique Cardoso que criou as condições para a economia brasileira proporcionar a Lula e ao PT 12 anos de populismo e corrupção com os resultados à vista de crescimento anémico e aumento da inflação. Aécio Neves, neto de Tancredo Neves, o primeiro presidente da era democrática do Brasil, é um economista de formação, político realista e moderado, que realizou um trabalho decente durante 7 anos como governador de Minas Gerais. O facto de ter passado à segunda volta indicia que começa a existir uma base social na classe média de apoio às mudanças indispensáveis para tornar o Brasil um país moderno e dinâmico.

Sem comentários: