Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/10/2014

Lost in translation (213) – Traduzindo a coisa por miúdos (II)

Continuação de (I).

Nove em cada dez analistas e comentadores (não sei qual é a diferença) encartados queixam-se que só agora perceberam o que a ministra das Finanças nunca lhes explicou, a saber: a Caixa é um banco público, que tem 30% do mercado bancário e tem, portanto, a mesma participação no Fundo de Resolução e, consequentemente, a Caixa pagará 30% das perdas com a resolução do BES e, no fim da linha, esse custo poderá ser suportado pelo accionista da Caixa que é o Estado.

Jorge Marrão escreveu há dias no Negócios que «aos políticos, exigimos sonhos. Aos economistas, devemos exigir que lhes expliquem o campo de possibilidades. A ordem temporal é simples: merecemos os políticos que escolhemos, e os políticos têm os economistas que merecem.»

Bem me pareceu que a coisa estava incompleta. Deveremos acrescentar: «e uns e outros têm os analistas e comentadores que podem».

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Nove em cada dez culpa o governo. s ministra, o Bp ea CMVM dos prejuizos com o NovoBanco. Coitadinho do espiritosanto que eu andava "injustamente" a julgar que tinha grande responsabilidade das trapalhadas que ainda só agora começaram - as falencias estão a começar a fazer vitmas directas a qualquer momento, que tambem serão responsabilidade da "falta" de credito do sistema bancario sd "empresas".