Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/10/2011

Pro memoria (41) – (ainda) mais legados de Sócrates

[Alguns outros legados: aqui e aqui]

Razão teve o Impertinente quando admitiu que Sócrates poderia vir a ser a próxima vítima da síndrome da abrilada, uma espécie de arrependimento colectivo da gente que aplaudiu na praça pública uns tempos antes Marcello Caetano e aplaudiria o camarada Vasco uns anos depois na mesma ou noutra praça pública.

Desta vez calhou ao presidente do Instituto de Infra-Estruturas Rodoviárias durante a audiência na comissão parlamentar de economia e obras públicas, onde sacudiu a água do capote das suas responsabilidades nas negociações das SCUTS, revelando ter sido «alvo de coacção» do governo de Sócrates. Tudo sem surpresas: a coacção de Sócrates e dos seus cães-de-fila e a moleza dos nomeados, cuja consciência guardou de Conrado o prudente silêncio. Como bem citou o saudoso António Guterres, Roma não paga a traidores e o coagido, fraquejando nos interrogatórios, já está a levar o merecido castigo dos deputados socialistas.

Sem comentários: