Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/10/2011

DIÁRIO DE BORDO: Quem os viu e quem os vê

Setembro de 1996, comboio de Budapeste para Praga. Devido à falta de visto duma pessoa com quem viajava, fomos forçados a sair na primeira estação na Eslováquia – Štúrovo. Ainda se sentia a presença invisível da cortina de ferro. Um apeadeiro miserável, polícias de fronteira com um ar de Checkpoint Charlie. Após complicadas negociações e pesados pagamentos em marcos lá foram buscar uma funcionária a casa com o indispensável carimbo. Perdida a viagem num comboio decente Budapeste-Praga e substituída por outra num recoveiro 4 ou 5 horas depois. Jantar no comboio substituído por snacks comprados na única lojeca (nojenta) do apeadeiro. Foram os snacks mais ranhosos que algum dia nos passaram pela goela, e já nos tinham passado pela goela coisas bastante más.

15 anos depois o parlamento eslovaco vota contra a participação no FEEF recusando contribuir para resgatar os países falidos do Sul da Europa. Um dos partidos da coligação classificou o FEEF como «estrada para socialismo». Eles lá sabem.

Sem comentários: