Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/10/2011

ESTADO DE SÍTIO:O corporativismo sobrevive na medicina

«Já temos médicos com dificuldade de empregabilidade, nos próximos anos teremos médicos sem emprego», garante o bastonário da Ordem dos Médicos. Entretanto, o governo continua a contratar médicos estrangeiros para suprir a falta que o chefe da corporação dos médicos diz ser excesso. Apesar do que diz o chefe, os dados mostram existirem em Portugal cerca de 4 mil (quase 10% do total) médicos estrangeiros, número a aumentar na ordem de 100 por ano. Alguns desses médicos estrangeiros são pagos para não dar consultas.

Entretanto e, uma vez mais, apesar do excesso referido pelo chefe da corporação, a procura de serviços de saúde é vista como promissora para mais de 1.300 estudantes portugueses a estudarem medicina no estrangeiro, sem lugar nas faculdades de medicina portuguesas que só aceitam génios (se as classificações do ensino secundário tiverem alguma fiabilidade que outra coisa pode ser um jovem que consegue uma média superior a 18 valores?)

Sem comentários: