Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/10/2011

Sacudindo a água do capote

Há o jornalismo de causas que se borrifa para os factos e há o presidencialismo de causas que sacode a água do capote. É o caso de o criador e curador durante 10 anos do monstro ingovernável que está na génese da crise portuguesa, ao dizer em Florença que «as causas radicam nas políticas erradas, nomeadamente orçamentais e macroeconómicas, seguidas pelos Estados-membros e, por outro lado, numa deficiente supervisão por parte das instituições europeias. A responsabilidade por esta crise é claramente partilhada pelos Estados-membros e pelas instituições europeias».

O verbo «radicar» vem do verbo radicare, ou seja enraizar, ir à raiz, neste caso às causas profundas da crise portuguesa. E eu a pensar que a causa profunda era o despesismo público e privado que aumentou o endividamento até ao insuportável, escamoteado por fraudes contabilísticas.

Sem comentários: