Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/10/2011

LA DONNA E UN ANIMALE STRAVAGANTE: A tradição já não é o que era

Desde as suas origens, remontando a 1880, a IBM, durante décadas a maior empresa de tecnologias de informação e ainda hoje uma das maiores, sempre foi dirigida por homens – a IBM e quase todas as empresas, reconheça-se. A partir de 1 de Janeiro o actual CEO Sam Palmisano será substituído por Virginia Rometty a primeira mulher ao leme da IBM, juntando-se a Ursula Burns da Xerox e a Meg Whitman ao volante da HP, onde já tinha estado Carly  Fiorino há meia dúzia de anos.

Estamos a atingir o limiar da completa emancipação da mulher no mundo dos negócios, que para  Simone Veil seria alcançada quando uma mulher incompetente sucedesse a um homem competente – uma sucessão parecida com a aconteceu na HP em que Mark Hurd, um notável líder corrido por ser femeeiro, foi substituído primeiro por Léo Apotheker, vindo da SAP, e a seguir por Meg Whitman vinda de Ebay.

Não é extraordinário que na Europa das quotas até hoje não se vêem mulheres no topo das grandes multinacionais?

Sem comentários: