Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/03/2017

Pro memoria (339) - Sintonizados a trabalhar para o próxima recapitalização

O mausoléu onde se enterra dinheiro dos contribuintes
«Presidente da República e governo continuam sintonizados quando o tema é Caixa. Agora sobre a presença de balcões em todos os concelhos»

Estava escrito nas estrelas. Quem foi que disse que a Caixa iria ser gerida como um banco privado? É só o princípio de uma nova saga igual às anteriores que terminará como as anteriores com o enterro de mais dinheiro no mausoléu da Avenida João XXI.

Vamos ver se Paulo Macedo tem cojones para resistir à interferência dos afectos, das manobras, dos populismos, dos interesses instalados e dos amigos do regime. É muito para um homem só, resta-lhe demitir-se.

1 comentário:

Pedro Ferreira disse...

Totalmente de acordo. Já não acredito na recuperação da CGD. Para mim vai ser um banco residual. Estou a agravar o meu pessimismo sobre a situação económico- financeira do país. A economia mexe qualquer coisa com o dinheiro europeu, mas capital próprio as empresas não têm e, quem tem capital não investe, exceptua-se o imobiliário/turismo que mantém o nosso crescimento acima de zero. Com as taxas de juro ao valor actual(4,2%/10 anos)e o crescimento actual em 1,..., vamos ter novo resgate muito em breve. Este governo adia o resgate e a oposição não é alternativa, estamos como em 1926, os partidos são um problema e não uma solução. O BCE, hoje, lançou um aviso, tal como tinha alertado a Dra Teodora Cardoso, mas a iliteracia financeira deve corresponder ao analfabetismo do fim da monarquia, uns 75%, e não se passa nada. Daseeeeeeeeeeee!