Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/03/2017

DIÁRIO DE BORDO: Senhor, concedei-nos a graça de não termos outros cinco anos de TV Marcelo (33)

Outras preces.

«Mais do que isso [um banco público manter o serviço público], é uma ligação que tradicionalmente existe entre a Caixa Geral de Depósitos e os portugueses, sobretudo uma camada menos jovem que está há muito tempo relacionada com a Caixa e que quer continuar relacionada com a Caixa», disse, a propósito da redução da rede de agências, o presidente Marcelo dos Afectos, numa exposição qualquer, ou numa vernissage, ou enquanto sorvia uma vichyssoise, ou tirava uns selfies com os alunos da escola primária n.º 98, ou dava uma entrevista simultânea a 43 jornalistas, sabe-se lá.

E qual é a ligação que tradicionalmente existe entre a Caixa Geral de Depósitos e os portugueses? Elementar, meu caro Watson. Há uns portugueses que tradicionalmente lá enterram o dinheiro dos seus impostos e há outros que tradicionalmente de lá extraem o dinheiro dos que lá o enterraram. Sobretudo uma camada menos jovem que está há muito tempo enterrá-lo.

E como sabe o presidente Marcelo estas coisas todas da banca? Elementar, meu caro Watson. Porque tem estado tradicionalmente ligado à banca.

1 comentário:

Vladek disse...

Blá blá blá wiskas saquetas blá blá blá - Marcelito dixit.