Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/03/2017

Lost in translation (286) - Trocou "tricas" por "pingue-pongue" e traduziu "punch-bag" por "boxe"

Qual Egas Moniz a ir à corte de Leão, ponho a corda ao pescoço para vir junto de vós reconhecer que estava errado o meu prognóstico sobre a performance seguinte de Costa, ao perceber que o governo estaria a dar tiros nos pés se continuasse com o caso offshores.

Não. Não é verdade que Costa queira encerrar com um deixem-se de tricas o assunto dos 10 mil milhões do "nosso dinheiro" (assim o dizem o Sr. Jerónimo e a D. Catarina, acompanhados por um coro de patetas) transferidos para offshores "ilegalmente" (idem e assim o dizia o Sr. Costa).


Desta vez, depois de enfiar algumas balas nos pés, Costa fez um flic-flac, trocou as tricas pelo pingue-pongue. Disse «não quero continuar a alimentar este pingue-pongue com o PSD», e acrescentou, na esteira do presidente Marcelo dos Afectos, não pretender criar um «clima artificial de confrontação», logo agora que a oposição, farta de ser malhada, para usar a expressão de Santos Silva - o homem que confessou gostar de malhar na direita -, começava a fazer o gosto ao punho.

Sem comentários: