Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/03/2017

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (LXIII)

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

A saga grega continua, o que, para começar, me leva a evocar o nosso Costa que há dois anos nos exortava com um inspirador «vitória do Syriza é um sinal de mudança que dá força para seguir a mesma linha».

Dois anos e mais um resgate depois (o terceiro desde 2010 totalizando 240 mil milhões de euros), o governo Syriza-Anel continua a tentar fintar a troika, que agora se chama as «instituições», quando está perigosamente próxima a maturidade de 7 mil milhões da dívida detida pelo BCE,

Enquanto isso, metade dos trabalhadores gregos estão isentos de impostos sobre o rendimento, o défice da segurança social é superior a 10% do PIB (quatro vezes mais do que a média na Zona Euro) e as dívidas fiscais representam 70% do PIB. Talvez também o Syriza tenha encontrado consolação vilipendiando Dijsselbloem por ter tido (não disse) que eles gastaram o dinheiro com briol e mulheres (não gastaram, gastaram com os jogos olímpicos e com reformas aos 53 anos em profissões «árduas e insalubres» como cabeleireiras e massagistas),

Sem comentários: