Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/02/2017

De boas intenções está o inferno cheio (47) – A religião é a política por outros meios? (XIX)

Outros posts sobre a religião como a política por outros meios.

«O principal painel consultivo do Papa Francisco começa hoje uma reunião de três dias em Roma. Logo após o início de seu papado, Francisco escolheu nove cardeais para elaborar planos para reformar a governação da Igreja. Os planos deveriam incluir uma nova constituição para a Cúria Romana, a administração central. Quase quatro anos depois, os planos ainda não se conhecem. Um projecto abrangente de reforma ajudaria o papa a desviar a atenção de uma revolta cada vez mais aberta por parte de prelados conservadores que estão convencidos de que suas declarações doutrinárias estão em desacordo com o ensino da Igreja. No início deste mês, apareceram cartazes em Roma atacando-o. Francisco pode ser o queridinho dos progressistas do mundo - alguns até o veneraram como o anti-Trump, mas uma minoria do seu próprio rebanho vê-o quase como um anti-Cristo. Se o papa embarcar em uma revisão profunda da Curia Romana, que tem uma resistência lendária à mudança, alguns rebeldes de topo terão motivos para detestá-lo ainda mais.»

[The Economist Espresso desta madrugada]

Sem comentários: