Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/02/2017

CASE STUDY: Trumpologia (12) - O Donald é um copycat (III)

Mais trumpologia.

Já concluímos aqui e aqui que o muro de Donald é uma cópia do muro de Bush pai e do muro de Obama, o seu nepotismo teve o antecedente de JFK, as suas políticas anti-globalização, intervencionismo estatal e investimento público são cópias das políticas da esquerdalhada, a relação com os mídia, a sua «pós-verdade» e os «factos alternativos» são uma cópia tosca do agitprop inventando pelos comunistas soviéticos nos anos 20 e a profusão de ordens executivas teve vários precursores, incluindo Santo Obama,

Acrescente-se que o seu discurso pode ser comparado a uma espécie de newspeak da Oceania inventada por Orwell, inspirado na União Soviética.

E, se não fosse suficiente, até a sua política de expulsão dos imigrantes para alegadamente defender os postos de trabalho dos americanos também teve um precedente com a expulsão dos braceros, os trabalhadores temporários mexicanos na agricultura texana e californiana dos anos 60. Adivinhe quem adoptou essa política, de resto completamente falhada sem praticamente efeitos no aumento do emprego ou no aumento dos salários dos trabalhadores americanos? JFK, o presidente democrata americano, o mesmo que nomeou o irmão para o governo.

Voltando à sua ordem executiva proibindo a entrada de refugiados e nacionais de países alegadamente de risco, constatemos no diagrama anterior (fonte) que, considerando a experiência dos últimos 40 anos, tudo indica serem essas medidas ineficazes para reduzir o risco de atentados terroristas, por muito que façam felizes os eleitores de Trump.

Sem comentários: