Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/02/2017

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: O presidente vai nu (7)

Outros nus do presidente.

A multiplicação de apreciações críticas indicia que o estado de graça de Marcelo chegou ao fim? Possivelmente não. De momento indicia apenas o fim da paralisia mental generalizada da comentadoria e talvez o princípio dos apertos de Marcelo de quem José Miguel Júdice, que o conhece bem, disse recentemente na TVI que lida muito mal com as críticas.

«O mais errado no meio disto tudo é Marcelo não o fazer por convicção, mas antes por oportunismo. Esta constante vontade de agradar, impelem o Presidente da República a não ser mais do que um Presidente da situação. Um catavento mediático, como alguém um dia lhe chamou.

A esquerda tem hoje um Governo, uma maioria e um Presidente. 

(...)

O episódio Centeno mostrou a António Costa que Marcelo afinal não é o amigo que parecia à primeira vista ser. Tal como Marcelo (ainda comentador) já o tinha provado, semana após semana, a Passos Coelho (ainda primeiro-ministro).

A postura discreta da Presidência da República é hoje uma miragem. A figura do Presidente moderador morreu e nos próximos anos teremos que viver com um Presidente jogador. Habituemo-nos a viver com isto, dizem que é uma questão de afetos.»

«Afetos a mais também enjoam», João Gomes de Almeida no jornal Eco

Sem comentários: