Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/02/2017

COMO VÃO DESCALÇAR A BOTA? (8) - Apenas um chinelo de quarto, por agora (III)

Outras botas para descalçar.

«Alguns comentadores falaram muito sobre o problema da emissão a 4,2%, mas na mesma sessão, logo a seguir, desceu para abaixo de 4% a taxa de juro. E nas sessões seguintes esteve abaixo de 4%, o que significa portanto que não consolidou a tendência que se dizia que era preocupante» disse há duas semanas o presidente dos Afectos e suplente a primeiro-ministro e a ministro das Finanças.

Eis a tendência que se dizia que era preocupante:

Jornal Eco
E não, não só os yields no mercado secundário. Estes juros foram os obtidos no mercado primário nas colocações de 3.ª feira, as quais ficaram abaixo (1.180 milhões de euros, dos quais apenas 550 milhões a 7 anos) do máximo previsto (1.250 milhões).

Sem comentários: